Sabe aquele filme bem clichê adolescente, com a menina que consegue o emprego dos sonhos, a viagem dos sonhos, um amor que você fica ali torcendo para eles ficarem juntos, mas isso só acaba acontecendo no final? Emilly em Paris tem tudo isso e muito mais.

A nova série da Netflix conta a história de Emily interpretada por Lily Collins, que acaba indo trabalhar em Paris após a empresa que trabalha em Chicago comprar uma agência de Marketing na cidade mais romântica do mundo.
Ela será o ponto de vista americano dentro de uma empresa cheia de franceses, responsável assim pelas mídias sociais.

O filme me lembrou muito O Diabo Veste Prada. A funcionária que sofre nas mãos da patroa, porém que faz de tudo para impressiona-la. E é bem assim nessa nova série.

Claro que como todo bom clichê não poderia faltar um bom e velho triângulo amoroso. 
Emily acaba se apaixonando por seu vizinho, que depois descobre ser namorado de sua mais nova amiga na cidade luz.
Porém a série é mais focada na carreira da americana.
O fato como ela se mostra competente, e não deixa nenhuma barreira impedi-la, ela sempre arranja uma maneira de ver o ponto positivo em uma situação considerada por outros impossível.
Uma americana, trabalhando em Paris e que nem fala francês, porém ela não deixa isso se tornar um empecilho, está sempre correndo atrás. Na verdade é bem inspirador.
 


Gosto de assistir séries nesse estilo que me inspirem não apenas no pessoal, mas também profissionalmente, e logo no primeiro episódio teve uma cena que me chamou muito a atenção, em que um dos personagens franceses, o Luc, conversando sobre trabalho com Emily, diz o seguinte “...americanos, vivem para trabalhar, nós trabalhamos para viver” e ao ouvir isso a personagem diz “eu adoro trabalhar. E a realização me deixa feliz.”
Ela está ali para mostrar que não é certo ficar estagnado, é preciso inovar, como o marketing funciona hoje em dia. A criatividade, o como estar sempre a frente, e sair do tradicional.

Foi ótimo assistir a uma série com um cenário diferente, fugindo um pouco do tradicional americano.
Sem contar os looks da personagem Emily, que também são incríveis, e super estilosos.


O criador da série, Darren Star também foi produtor de Sex and the City, e fica bem notável isso no estilo de cenas, fotografia e produção.

A verdade é que: Emily em Paris, é uma série bem gostosa e tranquila de se assistir. Com episódios que variam entre 24 a 29 minutos, tendo apenas o último com 34minutos.
Apesar dos clichês, e dos estereótipos, ele é leve, e divertido. Aquela comédia romântica que vale a pena.